segunda-feira, 17 de julho de 2017

spanking e dominação pesada em um marido corno manso e submisso em castidade masculina controlada

Eu sou a Paula, uma mulher dominadora que gosta de homens submissos. Acredito na supremacia feminina e gosto de sexualmente dominar os homens. As vezes sou também  um pouco sádica, gosto de ver o homem sentindo dor, sendo dominado por mim. Sou casada em um relacionamento liberal e muito especial. Meu marido submisso e masoquista vive em regime de castidade controlada. Ele raramente tem orgasmos, quase nunca me penetra. Mas eu tenho orgasmos sempre. Ele me chupa, me masturba, me adora. E além disso eu tenho outros homens que me comem na frente do meu marido. Adoro transar com outros na frente dele. De vez em quando eu dou um orgasmo frustrado, um orgasmo arruinado para meu marido. Um orgasmo sem prazer. Outras vezes eu faço tease and denial, o jogo de excitar e negar. E também faço muita ordenha prostática nele, para que ele ejacule sem ter prazer e orgasmo.

E tem uma coisa que eu adoro, que é ver os homens que me comem, comendo meu marido também. O Rob nunca foi bissexual e nem gostava de ser penetrado. Mas, em nosso casamento, eu adoro praticar inversão de papéis, ser uma mulher ativa, que gosta de comer um homem passivo. E o passo seguinte a isso foi começar a obrigar meu marido a dar para homens. Ele ja deu para vários namorados comedores meus e também para travestis super ativas. 

No dia dos namorados, eu dei de presente para meu marido o pau do meu namorado atual. Fiquei louca de ver o Luca metendo aquele pau delicioso na bunda do Rob. Depois que o meu namorado comeu meu marido eu mandei meu marido dormir na sala e trepei com meu namorado e dormi abraçadinha com ele. Esse relato verdadeiro está no capitulo anterior aqui do blog.

Acordamos no dia seguinte do dia dos namorados, chamei meu marido para chupar minha buceta esporrada por outro homem e, quando meu namorado foi embora, foi hora de uma conversa séria com meu marido.

Olhei para ele, séria e brava, e disse: "ontem te dei de dia dos namorados o mais supremo dos prazeres: deixei que você sentisse o mesmo pau que me come. Mas você foi relapso, não me deu nada de presente. Isso é inadmissível. Você sabe que gosto de ganhar jóias e roupas caras e você simplesmente não me deu nada. Eu não gosto de marido relapso, de marido desligado. Você merece ser punido e vai ser punido. Eu poderia simplesmente fazer hoje uma sessão de spanking e dominação  em você. Isso faria passar mina raiva, mas você precisa aprender a não errar mais como errou, então em vez de eu mesma te punir, vou te deixar em mãos especializadas. Vou te levar para o dungeon da Rainha Flavia e vou pedir que ela te puna, te domine e te ensine a ser um marido melhor. Eu conheço a Rainha Flavia, dominadora especializada, do meu grupo de sexo e fantasias."

Meu marido murmurou um pedido de desculpas, disse que não precisava daquilo, que ele ia comprar vários presentes para mim e eu disse: "é bom mesmo que compre. Quero aquele anel da Tiffanys que já te mostrei. Mas isso não muda nada. Você vai ser torturado e castigado pela dominadora.

Conversei com a Flavia e disse que levaria o Job lá na quinta-feira seguinte. E fiquei contando os dias para ver meu marido ser espancado, dominado, surrado e humilhado.

O Rob, vocês leitores jia sabem, vive em regime de castidade masculina controlada, sem orgasmos e usando cinto de castidade. E ele é um corno manso, cuckold, que me deixa transar com outros homens. Na sexta eu tirei o cinto de castidade dele, mandei ele se vestir e colocar calcinha fio dental por baixo e fomos encontrar a Rainha dominadora. A casa onde ela mora tem um quarto transformado num estúdio de dominação. Tem um trono em um lado, uma cruz de santo andré na parede do outro, ganchos, troncos para prender o escravo, uma mesa para bondage e vários outros moveis e utensílios para prender, amarar, chicotear e dominar o escravo. Em outra parede uma coleção de chicotes, chibatas, cannes e em um armário de vidro, maquinas de choque, consolos, especulou, prendedores e muito mais. A Rainha dominadora já estava pronta quando chegamos.  Usava saltos altíssimos e um corselet de vinil que marcava bem seu corpo. Era uma mulher linda, dominadora , ativa e poderosa, que dominava os homens submissos. Quando ela abriu a porta já deu logo dois tapas na cara do Rob e disse: "veio aprender a se comportar melhor com sua esposa né?" e mandou ele se ajoelhar. Ai ela me abraçou gostoso e me deu um delicioso beijo na boca. Sentir a boca macia de outra mulher me beijando com tesão sempre me excita muito.

Fomos para o estudio de dominação, já pronto, com velas acesas e iluminação planejada e ela mandou o meu marido ficar nu. Eu avisei a ela que ele já estava sem o cinto de castidade e que ela podia fazer o que quisesse com ele. Também tirei minha roupa, fiquei nua e me exibi para meu marido, dizendo: "olha que corpo gostoso  e lindo que sua esposa tem. Olha como eu sou gostosa. Mas não é para seu bico! Você só pode olhar e saber que outros homens me dão muito prazer e que eu dou prazer a eles."

O Rob estava nu, e a Rainha Flavia mandou ele ficar de pé, de pernas abertas, bem no meio da sala. Pegou o rosto dele e apertou com força, olhando bem nos olhos dele e dizendo: "você está aqui para aprender como se trata uma mulher. Você é um bosta de um homem submisso que só serve para nós mulheres dominadoras e poderosas usarmos da forma que quisermos. E deu uma série de tapas bem fortes no rosto dele. Eu ouvia os barulhos dos tapas e os gemidos dele e ia ficando cada vez mais excitada.

Ai a Flavia desceu as maos com unhas longas arranhando o peito dele e chegou no pau e no saco dele. Pegou o saco, de leve. Ele gemeu de prazer, mas ai ela apertou, com muita força. Ele gritou de dor e ela apertou com mais força ainda, dizendo: "teu pau não serve para nada, você não come sua esposa e nem nenhuma mulher. Eu posso torturar suas bolas, seu saco e seu pau o quanto eu quiser. E hoje estou com bastante vontade de tortura genital, uma deliciosa CBT - Cock and balls torture. Adoro quando tenho um escravo cujas bolas e o pau não servem ora nada".

Ela soltou as bolas do meu marido, que respirou aliviado. Pegou algumas cordas finas e começou a amarrar o pau e as bolas dele, de um jeito cheio de técnica e depois prendeu o meu marido na cruz de santo andré, com a cara na parede e a bunda para ser espancada. Ai ela disse: vou começar boazinha: 35 chibatadas com o chicote de couro grosso. Você conta e agradece a cada uma das chicotadas. E começou uma sessão de spanking, marcando a bunda do meu marido, que contava cada uma das chibatadas e agradecia por elas. Meu tesão ja estava nas alturas. Eu estava ensopada e me masturbava de leve e devagarzinho.

Terminadas as chicotadas, ela soltou ele e amarrou ele de frente. Pegou algumas garrinhas serrilhadas e bem fortes e colocou bem na pontinha de cada um dos mamilos dele. Ele suava, arfava, gritava de dor e ela apertava cada vez mais a garrinhas. Ficava mexendo nelas fazendo elas machucarem ainda mais os mamilos dele. E depois pegou alguns pesos de chumbo e pendurou em cada uma das garrinhas.

Soltou o pau dele das cordas e pegou um outro tipo de presilhas, que prendeu em cada uma das bolas, apertando forte. E depois pendurou vários pesos em cada uma das bolas, que ficaram roxas e esticadas. Ai a Flavia deixou ele ja naquela situação todo preso e dolorido e veio me beijar. Foi im beijo intenso, cheio de tesão. Nossas bocas se abriram, nossas línguas se encontraram, nossos corpos se tocaram e a Rainha me tocou na buceta depilada e ensopada. Abriu meus lábios com os dedos, enfiou um dedo la dentro e me tocou nos pontos mais sensíveis. Depois veio para meu grelo, que estava enorme, duro, excitado. E me masturbou um pouco, mas disse que não era hora de gozar ainda. E ai pegou o dedo que tinha acabado de enfiar em mim, passou no nariz do meu marido, dizendo para ele sentir o cheiro e depois enfiou o dedo na boca dele, mandando ele sentir o gosto.

Soltou ele da cruz, tirou os prendedores e colocou ele de bruços sobre um tronco, com a bunda empinada e aberta. Amarrou as mãos dele na frente, as pernas dele abertas. Ele ficou totalmente exposto, vulnerável. Acariciou a bunda dele, pegou uma varinha, cane, e começou uma sessão de spanking, caning. A varinha descia forte na bunda ele e deixava marcas vermelhas que logo foram ficando mais arroxeadas. E a Rainha batia sem dó. O caning dói muito e marca muito a pele. É uma forma de severa punição corporal.

Terminado o spanking, ela acariciou o cu e o saco dele e disse: "eu gosto de cu arrombado. Sou uma rainha dominadora e muito ativa e gosto que meus escravos passivos tenham o cu muito arrombado. Lubrificou o cu do meu marido e pegou um especulo ginecológico grande e dizendo que ia abrir bem o cu dele, para arregaçar as regras. Enfiou o especulo e abriu ao máximo. Meu marido gritava e gemia, preso de bunda aberta e para cima. Tirou o especulo e pegou um pau enorme, grosso, cabeçudo, gigante. E disse: "vou enfiar o pau, de uma vez só e não vou aliviar pra você". Encostou aquela cabeça enorme do pau, forçou a entrada. O cu do Rob se abriu e vi a cabeça sumindo á dentro. E em seguida ela forçou, até entrar inteiro. Meu marido suava, gritava e gemia e quanto mais ele pedia para ela ir devagar mais forte ela ia. Eu não me aguentava mais de tesão e nessa hora já me masturbava com ritmo e velocidade, até que veio meu primeiro orgasmo. Veio fortíssimo. Fiquei toda sensível, mas não parei de me acariciar de leve. Queria manter o tesão, para gozar outras vezes. Ela tirou aquele pau gigante da bunda dele. O cu dele sangrava muito, estava enorme, aberto. Ai ela disse: "acho que suas pregas já foram todas. Agora você está do jeito que eu gosto. Um homem passivo arrombado de verdade. Vou conferir com meu braço." Fechou a mão, encostou na bunda dele e disse: "eu gosto de fisting, mas gosto de enfiar a mão fechada. Enfiar dedo por dedo ate entrar a mão é fácil. Em você quero enfiar a mão já fechada". O cu dele estava enorme, dilatado, arrombado. Ela encostou a mão fechada e mandou ele abrir o cu, dizendo: "eu vou enfiar de qualquer forma, então é melhor você relaxar". E eu logo vi a mão dela sumindo no cu dele, em um tremendo fisting violento. E ela meteu até a metade do antebraço e ficava enfiando e tirando, até que se deu por satisfeita, dizendo ele ele ja estava suficientemente arrombado. Eu estava louca de tesão de ver meu marido corno e casto tão submisso, sendo dominado com força e violência. Me masturbava de novo como uma louca.

Ela soltou ele e disse: agora é hora de torturar seu pau e suas bolas. A hora de CBT cock and balls torture, a hora da tortura genital que eu adoro, ainda mais com paus e bolas que não são usados. Algemou o meu marido com as mãos para trás e nos pés com uns ferros que obrigavam ele a manter as pernas abertas. Deu um passo para trás e deu um forte chute no saco dele, com tudo. Ele tremeu de dor e gritou. E logo em seguida deu mais um chute no saco dele. E depois outro. E outro. E outro. Foram 13 chutes em uma única sequencia, sem parar. Todos fortes, direto no saco. As bolas dele estava roxas, violentamente torturadas.

Ele tremia de dor, suava frio. Eu estava louca de tesão de ver meu marido todo marcado, espancado, violentado, torturado. Ela deitou ele na cama de bondage, que tinha as pernas abertas, deixando o saco e o pau acessíveis por todos os lados. Amarrou ele todo e pegou a maquina de choques. Colocou os eletrodos no saco e no pau dele e começou a dar os choques, alternando correntes e intensidades mais fortes e mais leves. Meu marido tremia todo, mas estava fortemente amarrado. Passados os choques ela disse: "para terminarmos, vou brincar com as agulhas que tanto adoro". Pegou varias agulhas de injeção e enfiou na cabeça do pau dele e no saco. Eu fiquei louca de tesão e gozei de novo, me masturbando. Depois de tirar as agulhas, ela pegou uma vela e derramou a cera quente sobre a cabeça do pau e o saco dele.

Ai ela largou ele amarrado, e veio para perto de mim. Disse: "Paulinha, teu marido a partir de agora vai ser melhor ainda. Adorei ele. Super submisso e obediente. E bem masoquista também, com bastante tolerância a dor. Adorei seu corno manso. Amei seu marido cuckold." Ai ela tirou a roupa, exibindo o corpo perfeito dela, com seios lindos, marquinha de fio dental e uma xoxota carnuda, com lábios enormes e lindos. Nos beijamos, nos tocamos, nos acariciamos. Estávamos as duas loucas de tesão. Eu acariciei a buceta dela enquanto ela acariciava a minha. Nos masturbamos e depois viramos num 69, como cada uma chupando a xoxota da outra. É uma delicia mulher transando com mulher. Gozamos as duas bem forte e gostoso. Curtimos demais. Ela soltou meu marido do bondage, mandou ele tomar banho. A pele dele estava aberta, dilacerada pelo chicote. A carne fortemente marcada pelas chibatadas. O cu aberto. O pau e o saco destruídos de tanta tortura genital. As pernas dele estavam moles, ele mal conseguia andar.

Chegamos em casa e eu disse que tinha adorado a experiência e agradeci a ele. Disse que ele era meu marido perfeito e que eu amava muito ele. E ele respondeu: "eu te amo muito, minha esposa perfeita". Não dava para eu por o cinto de castidade dele, porque ele estava muito machucado. Então algemei as mãos dele para ele não poder se tocar e dormimos.

No dia seguinte as marcas estavam ainda mais fortes, roxas. O saco inchado, cabeça do pau gigante. O cu dilacerado. Mas estávamos os dois felizes, plenos no casamento depois de spanking e dominação pesada em um marido corno manso e submisso em castidade masculina controlada

E ai eu disse: "amor, tenho mais uma surpresinha para você. Lembra daquele casalzinho gostoso que eu transei em Campos do Jordão? Eles me convidaram para passar o fim de semana na casa deles. E eu quero ir para transar com eles dois. Mas não quero que você vá. Fica aqui em São Paulo e aproveita para me comprar vários presentes".

Ele tomou banho, eu prendei ele no cinto de castidade, afinal ele é um corno manso que vive em castidade masculina controlada. E disse para ele que eu viajaria a noite com o casal de novinhos e que ia trepar muito com eles.

Quer conversar comigo? paulasicam@gmail.com (mas seja inteligente para que eu me interesse por você). Quer falar com o corno manso do meu marido que vive em castidade controlada? robaleixo@gmail.com 


9 comentários:

  1. Ok, os relatos são bem completos e excitantes, porém sugiro algumas fotos, tenho certeza que ficaria ainda mais interessantes.
    Parabéns ao casal por ter a coragem de realizar tantos desejos e principalmente compartilhar com nos leitores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós temos uma vida fora daqui, cheia de compromissos e tudo mais. O Rob é grande executivo multinacional. Não podemos e nem queremos nos expor com fotos que, aliás, não fazem parte de nossa fantasia. use a imaginação e divirta-se....

      Excluir
  2. Respeito a colocação, porem mantenho o desejos de ver algumas imagens, mesmo que essas, fossem parciais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois vai continuar desejando, Ulisses. Talvez você não tenha percebido ainda, mas quem manda aqui sou eu, Paula, e não vocês homens. Divirta-se, gato. Imagine como eu sou, meu corpo, meu sexo... imagine o Rob me vendo transar e gozar gostoso com um gatinho pauzudo, enquanto ele está preso em um cinto de castidade. E você, queria estar no lugar do Job ou do gatinho?

      Excluir
  3. talvez da proxima vez que voce viajar por um longo tempo ou coisa do genero voce deveria deixar o Rob sobre os cuidados da Roberta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa idéia, Rafa! Viajei com um gatinho e uma gatinha no fim de semana seguinte a essa sessão de spanking e deixei o Job em casa.... poderia ter deixado ele com a Rô...

      Excluir
    2. A senhora poderia me dizer qual a cidade onde a Roberta mora? Sou de campinas. Se nao for muito longe gostaria de conhecela ela parece um sonho

      Excluir
  4. Essa Flávia deve ser uma delícia, adoraria comer o cuzinho dela e fazer ela gritar de prazer a noite inteira

    ResponderExcluir
  5. Postem mais... é mto bom isso..
    Flavia humilhando cada vez mais o Rob

    ResponderExcluir