segunda-feira, 17 de julho de 2017

spanking e dominação pesada em um marido corno manso e submisso em castidade masculina controlada

Eu sou a Paula, uma mulher dominadora que gosta de homens submissos. Acredito na supremacia feminina e gosto de sexualmente dominar os homens. As vezes sou também  um pouco sádica, gosto de ver o homem sentindo dor, sendo dominado por mim. Sou casada em um relacionamento liberal e muito especial. Meu marido submisso e masoquista vive em regime de castidade controlada. Ele raramente tem orgasmos, quase nunca me penetra. Mas eu tenho orgasmos sempre. Ele me chupa, me masturba, me adora. E além disso eu tenho outros homens que me comem na frente do meu marido. Adoro transar com outros na frente dele. De vez em quando eu dou um orgasmo frustrado, um orgasmo arruinado para meu marido. Um orgasmo sem prazer. Outras vezes eu faço tease and denial, o jogo de excitar e negar. E também faço muita ordenha prostática nele, para que ele ejacule sem ter prazer e orgasmo.

E tem uma coisa que eu adoro, que é ver os homens que me comem, comendo meu marido também. O Rob nunca foi bissexual e nem gostava de ser penetrado. Mas, em nosso casamento, eu adoro praticar inversão de papéis, ser uma mulher ativa, que gosta de comer um homem passivo. E o passo seguinte a isso foi começar a obrigar meu marido a dar para homens. Ele ja deu para vários namorados comedores meus e também para travestis super ativas. 

No dia dos namorados, eu dei de presente para meu marido o pau do meu namorado atual. Fiquei louca de ver o Luca metendo aquele pau delicioso na bunda do Rob. Depois que o meu namorado comeu meu marido eu mandei meu marido dormir na sala e trepei com meu namorado e dormi abraçadinha com ele. Esse relato verdadeiro está no capitulo anterior aqui do blog.

Acordamos no dia seguinte do dia dos namorados, chamei meu marido para chupar minha buceta esporrada por outro homem e, quando meu namorado foi embora, foi hora de uma conversa séria com meu marido.

Olhei para ele, séria e brava, e disse: "ontem te dei de dia dos namorados o mais supremo dos prazeres: deixei que você sentisse o mesmo pau que me come. Mas você foi relapso, não me deu nada de presente. Isso é inadmissível. Você sabe que gosto de ganhar jóias e roupas caras e você simplesmente não me deu nada. Eu não gosto de marido relapso, de marido desligado. Você merece ser punido e vai ser punido. Eu poderia simplesmente fazer hoje uma sessão de spanking e dominação  em você. Isso faria passar mina raiva, mas você precisa aprender a não errar mais como errou, então em vez de eu mesma te punir, vou te deixar em mãos especializadas. Vou te levar para o dungeon da Rainha Flavia e vou pedir que ela te puna, te domine e te ensine a ser um marido melhor. Eu conheço a Rainha Flavia, dominadora especializada, do meu grupo de sexo e fantasias."

Meu marido murmurou um pedido de desculpas, disse que não precisava daquilo, que ele ia comprar vários presentes para mim e eu disse: "é bom mesmo que compre. Quero aquele anel da Tiffanys que já te mostrei. Mas isso não muda nada. Você vai ser torturado e castigado pela dominadora.

Conversei com a Flavia e disse que levaria o Job lá na quinta-feira seguinte. E fiquei contando os dias para ver meu marido ser espancado, dominado, surrado e humilhado.

O Rob, vocês leitores jia sabem, vive em regime de castidade masculina controlada, sem orgasmos e usando cinto de castidade. E ele é um corno manso, cuckold, que me deixa transar com outros homens. Na sexta eu tirei o cinto de castidade dele, mandei ele se vestir e colocar calcinha fio dental por baixo e fomos encontrar a Rainha dominadora. A casa onde ela mora tem um quarto transformado num estúdio de dominação. Tem um trono em um lado, uma cruz de santo andré na parede do outro, ganchos, troncos para prender o escravo, uma mesa para bondage e vários outros moveis e utensílios para prender, amarar, chicotear e dominar o escravo. Em outra parede uma coleção de chicotes, chibatas, cannes e em um armário de vidro, maquinas de choque, consolos, especulou, prendedores e muito mais. A Rainha dominadora já estava pronta quando chegamos.  Usava saltos altíssimos e um corselet de vinil que marcava bem seu corpo. Era uma mulher linda, dominadora , ativa e poderosa, que dominava os homens submissos. Quando ela abriu a porta já deu logo dois tapas na cara do Rob e disse: "veio aprender a se comportar melhor com sua esposa né?" e mandou ele se ajoelhar. Ai ela me abraçou gostoso e me deu um delicioso beijo na boca. Sentir a boca macia de outra mulher me beijando com tesão sempre me excita muito.

Fomos para o estudio de dominação, já pronto, com velas acesas e iluminação planejada e ela mandou o meu marido ficar nu. Eu avisei a ela que ele já estava sem o cinto de castidade e que ela podia fazer o que quisesse com ele. Também tirei minha roupa, fiquei nua e me exibi para meu marido, dizendo: "olha que corpo gostoso  e lindo que sua esposa tem. Olha como eu sou gostosa. Mas não é para seu bico! Você só pode olhar e saber que outros homens me dão muito prazer e que eu dou prazer a eles."

O Rob estava nu, e a Rainha Flavia mandou ele ficar de pé, de pernas abertas, bem no meio da sala. Pegou o rosto dele e apertou com força, olhando bem nos olhos dele e dizendo: "você está aqui para aprender como se trata uma mulher. Você é um bosta de um homem submisso que só serve para nós mulheres dominadoras e poderosas usarmos da forma que quisermos. E deu uma série de tapas bem fortes no rosto dele. Eu ouvia os barulhos dos tapas e os gemidos dele e ia ficando cada vez mais excitada.

Ai a Flavia desceu as maos com unhas longas arranhando o peito dele e chegou no pau e no saco dele. Pegou o saco, de leve. Ele gemeu de prazer, mas ai ela apertou, com muita força. Ele gritou de dor e ela apertou com mais força ainda, dizendo: "teu pau não serve para nada, você não come sua esposa e nem nenhuma mulher. Eu posso torturar suas bolas, seu saco e seu pau o quanto eu quiser. E hoje estou com bastante vontade de tortura genital, uma deliciosa CBT - Cock and balls torture. Adoro quando tenho um escravo cujas bolas e o pau não servem ora nada".

Ela soltou as bolas do meu marido, que respirou aliviado. Pegou algumas cordas finas e começou a amarrar o pau e as bolas dele, de um jeito cheio de técnica e depois prendeu o meu marido na cruz de santo andré, com a cara na parede e a bunda para ser espancada. Ai ela disse: vou começar boazinha: 35 chibatadas com o chicote de couro grosso. Você conta e agradece a cada uma das chicotadas. E começou uma sessão de spanking, marcando a bunda do meu marido, que contava cada uma das chibatadas e agradecia por elas. Meu tesão ja estava nas alturas. Eu estava ensopada e me masturbava de leve e devagarzinho.

Terminadas as chicotadas, ela soltou ele e amarrou ele de frente. Pegou algumas garrinhas serrilhadas e bem fortes e colocou bem na pontinha de cada um dos mamilos dele. Ele suava, arfava, gritava de dor e ela apertava cada vez mais a garrinhas. Ficava mexendo nelas fazendo elas machucarem ainda mais os mamilos dele. E depois pegou alguns pesos de chumbo e pendurou em cada uma das garrinhas.

Soltou o pau dele das cordas e pegou um outro tipo de presilhas, que prendeu em cada uma das bolas, apertando forte. E depois pendurou vários pesos em cada uma das bolas, que ficaram roxas e esticadas. Ai a Flavia deixou ele ja naquela situação todo preso e dolorido e veio me beijar. Foi im beijo intenso, cheio de tesão. Nossas bocas se abriram, nossas línguas se encontraram, nossos corpos se tocaram e a Rainha me tocou na buceta depilada e ensopada. Abriu meus lábios com os dedos, enfiou um dedo la dentro e me tocou nos pontos mais sensíveis. Depois veio para meu grelo, que estava enorme, duro, excitado. E me masturbou um pouco, mas disse que não era hora de gozar ainda. E ai pegou o dedo que tinha acabado de enfiar em mim, passou no nariz do meu marido, dizendo para ele sentir o cheiro e depois enfiou o dedo na boca dele, mandando ele sentir o gosto.

Soltou ele da cruz, tirou os prendedores e colocou ele de bruços sobre um tronco, com a bunda empinada e aberta. Amarrou as mãos dele na frente, as pernas dele abertas. Ele ficou totalmente exposto, vulnerável. Acariciou a bunda dele, pegou uma varinha, cane, e começou uma sessão de spanking, caning. A varinha descia forte na bunda ele e deixava marcas vermelhas que logo foram ficando mais arroxeadas. E a Rainha batia sem dó. O caning dói muito e marca muito a pele. É uma forma de severa punição corporal.

Terminado o spanking, ela acariciou o cu e o saco dele e disse: "eu gosto de cu arrombado. Sou uma rainha dominadora e muito ativa e gosto que meus escravos passivos tenham o cu muito arrombado. Lubrificou o cu do meu marido e pegou um especulo ginecológico grande e dizendo que ia abrir bem o cu dele, para arregaçar as regras. Enfiou o especulo e abriu ao máximo. Meu marido gritava e gemia, preso de bunda aberta e para cima. Tirou o especulo e pegou um pau enorme, grosso, cabeçudo, gigante. E disse: "vou enfiar o pau, de uma vez só e não vou aliviar pra você". Encostou aquela cabeça enorme do pau, forçou a entrada. O cu do Rob se abriu e vi a cabeça sumindo á dentro. E em seguida ela forçou, até entrar inteiro. Meu marido suava, gritava e gemia e quanto mais ele pedia para ela ir devagar mais forte ela ia. Eu não me aguentava mais de tesão e nessa hora já me masturbava com ritmo e velocidade, até que veio meu primeiro orgasmo. Veio fortíssimo. Fiquei toda sensível, mas não parei de me acariciar de leve. Queria manter o tesão, para gozar outras vezes. Ela tirou aquele pau gigante da bunda dele. O cu dele sangrava muito, estava enorme, aberto. Ai ela disse: "acho que suas pregas já foram todas. Agora você está do jeito que eu gosto. Um homem passivo arrombado de verdade. Vou conferir com meu braço." Fechou a mão, encostou na bunda dele e disse: "eu gosto de fisting, mas gosto de enfiar a mão fechada. Enfiar dedo por dedo ate entrar a mão é fácil. Em você quero enfiar a mão já fechada". O cu dele estava enorme, dilatado, arrombado. Ela encostou a mão fechada e mandou ele abrir o cu, dizendo: "eu vou enfiar de qualquer forma, então é melhor você relaxar". E eu logo vi a mão dela sumindo no cu dele, em um tremendo fisting violento. E ela meteu até a metade do antebraço e ficava enfiando e tirando, até que se deu por satisfeita, dizendo ele ele ja estava suficientemente arrombado. Eu estava louca de tesão de ver meu marido corno e casto tão submisso, sendo dominado com força e violência. Me masturbava de novo como uma louca.

Ela soltou ele e disse: agora é hora de torturar seu pau e suas bolas. A hora de CBT cock and balls torture, a hora da tortura genital que eu adoro, ainda mais com paus e bolas que não são usados. Algemou o meu marido com as mãos para trás e nos pés com uns ferros que obrigavam ele a manter as pernas abertas. Deu um passo para trás e deu um forte chute no saco dele, com tudo. Ele tremeu de dor e gritou. E logo em seguida deu mais um chute no saco dele. E depois outro. E outro. E outro. Foram 13 chutes em uma única sequencia, sem parar. Todos fortes, direto no saco. As bolas dele estava roxas, violentamente torturadas.

Ele tremia de dor, suava frio. Eu estava louca de tesão de ver meu marido todo marcado, espancado, violentado, torturado. Ela deitou ele na cama de bondage, que tinha as pernas abertas, deixando o saco e o pau acessíveis por todos os lados. Amarrou ele todo e pegou a maquina de choques. Colocou os eletrodos no saco e no pau dele e começou a dar os choques, alternando correntes e intensidades mais fortes e mais leves. Meu marido tremia todo, mas estava fortemente amarrado. Passados os choques ela disse: "para terminarmos, vou brincar com as agulhas que tanto adoro". Pegou varias agulhas de injeção e enfiou na cabeça do pau dele e no saco. Eu fiquei louca de tesão e gozei de novo, me masturbando. Depois de tirar as agulhas, ela pegou uma vela e derramou a cera quente sobre a cabeça do pau e o saco dele.

Ai ela largou ele amarrado, e veio para perto de mim. Disse: "Paulinha, teu marido a partir de agora vai ser melhor ainda. Adorei ele. Super submisso e obediente. E bem masoquista também, com bastante tolerância a dor. Adorei seu corno manso. Amei seu marido cuckold." Ai ela tirou a roupa, exibindo o corpo perfeito dela, com seios lindos, marquinha de fio dental e uma xoxota carnuda, com lábios enormes e lindos. Nos beijamos, nos tocamos, nos acariciamos. Estávamos as duas loucas de tesão. Eu acariciei a buceta dela enquanto ela acariciava a minha. Nos masturbamos e depois viramos num 69, como cada uma chupando a xoxota da outra. É uma delicia mulher transando com mulher. Gozamos as duas bem forte e gostoso. Curtimos demais. Ela soltou meu marido do bondage, mandou ele tomar banho. A pele dele estava aberta, dilacerada pelo chicote. A carne fortemente marcada pelas chibatadas. O cu aberto. O pau e o saco destruídos de tanta tortura genital. As pernas dele estavam moles, ele mal conseguia andar.

Chegamos em casa e eu disse que tinha adorado a experiência e agradeci a ele. Disse que ele era meu marido perfeito e que eu amava muito ele. E ele respondeu: "eu te amo muito, minha esposa perfeita". Não dava para eu por o cinto de castidade dele, porque ele estava muito machucado. Então algemei as mãos dele para ele não poder se tocar e dormimos.

No dia seguinte as marcas estavam ainda mais fortes, roxas. O saco inchado, cabeça do pau gigante. O cu dilacerado. Mas estávamos os dois felizes, plenos no casamento depois de spanking e dominação pesada em um marido corno manso e submisso em castidade masculina controlada

E ai eu disse: "amor, tenho mais uma surpresinha para você. Lembra daquele casalzinho gostoso que eu transei em Campos do Jordão? Eles me convidaram para passar o fim de semana na casa deles. E eu quero ir para transar com eles dois. Mas não quero que você vá. Fica aqui em São Paulo e aproveita para me comprar vários presentes".

Ele tomou banho, eu prendei ele no cinto de castidade, afinal ele é um corno manso que vive em castidade masculina controlada. E disse para ele que eu viajaria a noite com o casal de novinhos e que ia trepar muito com eles.


sábado, 1 de julho de 2017

ordenha da prostata, para o marido dar para o namorado da esposa na frente dela - casal liberal, com a mulher dominadora e o marido submisso em castidade controlada

No dia dos namorados resolvi fazer uma coisa especial, de presente para o Rob, meu marido que eu amo muito e também para o Luca, meu atual namorado, que me come deliciosamente.

Na véspera do dia dos namorados, chamei minha depiladora em casa. Me depilei todinha, fiquei lisinha e gostosa. E aproveitei para mandar ela depilar o Rob também. Eu gosto de homens depilados e mesmo sem transar com o Rob mantenho ele sempre lisinho no saco, na virilha e no cu também. Soltei ele do cinto para isso e depois de se depilar e tomar banho, prendi ele de volta no cinto de castidade e ele foi trabalhar.

Mandei ele passar na Fruit de la Passion e comprar lingeries novas para mim e escolher uma para ele usar também. Ele odeia usar calcinha e lingerie, mas de vez em quando eu faço ele usar, porque gosto de ver ele como uma mocinha, com o pau preso e lingerie bem sexy. Mandei ele comprar calcinha e espartilho ou sutiã para ele, com meia 7/8 e liga, porque queria ele bem feminino no dia seguinte. Eu ja comprei há um tempo atrás um sapato de salto alto do numero dele, então isso já estava resolvido.

De noite, quando ele chegou vi que ele tinha escolhido duas fio dental lindas para mim, transparentes e sexies, do jeito que eu gosto. E para ele, uma calcinha linda, com um espartilho combinando e meias 7/8. Adorei!

Ele tomou um banho e em seguida fiz um enema nele, para limpar bem o cu dele.

Mantive ele preso no cinto de castidade, já que ele vive em regime de castidade masculina controlada 24x7, algemei as mãos dele. Mandei ele se debruçar no sofá, com a bunda bem empinada e aberta. Lubrifiquei o cu dele com Ky e enfiei um dedo. Dobrei esse dedo para cima e procurei a próstata dele. E quando achei comecei uma massagem prostática. O objetivo era ordenhar a próstata dele, para fazer ele ejacular, soltar os fluidos seminais, sem ter prazer, porque estava de pau mole e eu não tinha feito nenhum estimulo sexual nele. A ordenha prostática é super importante para quem vive em castidade masculina controlada. Já fiz um post aqui ensinando a ordenha prostática, a massagem na próstata. Um pouco depois enfiei um segundo dedo no cu do Rob e logo vi o pau dele expelindo os fluidos seminais, sem prazer para ele, com o pau mole e preso no cinto de castidade. Depois disso, fiz ele me chupar gostoso até eu gozar na boca dele, soltei ele do cinto para se lavar direitinho e prendi de novo, dizendo que no dia seguinte teríamos uma noite especial, para comemorarmos o dia dos namorados.

Na noite seguinte mandei o Rob vestir a lingerie nova que ele tinha comprado para ele, com roupa normal por cima e mandei ele deixar os sapatos de salto alto no jeito, para ele vestir depois. E eu também usei a calcinha que tinha ganho de presente dele. E por cima uma roupa bem sexy e provocando.

O Rob arrumou a mesa de jantar, para 3 pessoas. Gelamos champanhe e vinho e fizemos um fondue gostoso. Nosso terceiro convidado era o Luca, meu atual namorado comedor. Ele me come na frente do meu marido e as vezes sem meu marido ver também. Eu sou liberada para transar com quem eu quiser. Somos um casal liberal, que tem um relacionamento aberto e especial, porque eu posso tudo. Domino meu marido, que me obedece. Eu gozo muito e sempre e ele quase nunca goza.

O Luca chegou, me abraçou e me deu um delicioso beijo na boca, que ja me deixou excitada e louca de vontade de dar para ele. Cumprimentou meu marido e ficamos conversando, depois comenos nossa fondue, tomamos vinho e champanhe. No fim da fondue, mandei meu marido ir para o quarto se preparar. O Luca não entendeu nada e perguntou o que era. Eu dei risada e disse que ele ja ia ver.

Enquanto o Rob se montava todo eu comecei ja a beijar o Luca. Nos agarramos muito. Eu ja fiquei molhada e ele duro. Logo o Rob chegou, de calcinha fio dental, espartilho e salto alto. O Luca olhou e disse: "tá uma bichinha, hein?".

E ai eu tirei a minha roupa, ficando só com a micro calcinha e também tirei a do Luca, deixando ele só de cueca, mostrando todo o volume do pau dele duro.

Olhei para o Rob e disse: "amor, hoje vou te dar um presente especial de dia dos namorados. Vou deixar você transar com o Luca, vou deixar você sentir o pau que me come tão gostoso, vou deixar você entender porque eu gozo tão gostoso com o Luca. Hoje você vai dar o cu para meu namorado, amor".

O Luca riu e disse: "vou aproveitar bastante do seu cu hoje. Vou ver qual cu é o mais gostoso, se o da esposa ou o do marido".

E ai eu e o Luca começamos a nos beijar de novo, a nos pegarmos muito. Ele lambia meus mamilos duros, passava a mão pelo meu corpo, enfiava a mão por baixa da minha calcinha e me acariciava a buceta ensopada com seus dedos. Eu, ao mesmo tempo punhetava o pau dele, acariciava o saco. E tudo isso na frente do meu marido que, vestido de mulher, assistia tudo de perto.

Me ajoelhei, abaixei a cueca do Luca e o pau dele pulou duro e enorme na minha cara. Enfiei na boca, lambi a cabeça, acariciei o saco. E em seguida chamei meu marido e disse: "amor, ajoelha aqui e em chupar esse pau gostoso, vem sentir o gosto dele. E ficamos eu e meu marido juntos chupando o pau do meu namorado.  Eu estava louca de tesão, super molhada, louca pra gozar muito.

Botei meu marido de quatro na beira da cama, lubrifiquei o cu dele e olhei pro Luca e disse: "divirta-se. Pode comer com força, pode machucar, fazer o que vc tiver vontade. Não precisa ter dó dele". E ai olhei para meu marido e disse: "amor, você vai ver que tesão esse pau enorme do Luca dentro de você. Você vai saber exatamente porque eu adoro tanto dar pra ele. Pensa que ele pode comer minha buceta e meu cu a hora que ele quiser e que você nunca pode. Ele me sente molhada, gostosa. Ele goza dentro de mim e me faz gozar muito. E hoje é sua vez. Mas você não vai poder gozar gostoso, porque não vou tirar seu cinto. E tem mais: Vou te algemar com as mãos pra trás pra você nem poder tentar se tocar". Algemei meu marido e o Luca veio. Encostou a cabeça enorme do pau dele no cu do meu marido e forçou. Mandei meu marido relaxar e abrir o cu para o pau do meu namorado entrar e vi a cabeça desaparecendo dentro do cu do meu marido. O Luca não teve dó. Logo que a cabeça entrou ele parou um pouco para o Rob se acostumar com a grossura e ai forçou tudo de uma vez. Agarrou meu marido pela bunda e forçou o pau todo pra dentro do cu. Meu marido gritou e gemeu e aquilo me excitou mais ainda. E logo que o pau entrou até o fim o Luca começou a bombar com força e tesão.

Eu estava louca de tesão vendo meu namorado comer meu marido. Eu falava o tempo todo: "amor, sente que pau gostoso. Sente pau que me come deliciosamente. Sente o tamanho e a grossura dele".

Um tempo depois, o Luca disse que ia gozar e eu mandei ele encher o cu do meu marido de porra. E disse para o Rob: amor, você está tão acostumado a lamber minha buceta depois que ele goza dentro de mim e agora você vai sentir a porra dele de uma outra forma. E o Luca gozou com força no cu do Rob.

Eu estava pirada de tesão e logo que o Luca tirou o pau de dentro do cu do Rob e eles se deitaram na cama eu sentei na cara do Rob, esfregando minha buceta ensopada no rosto dele e mandando ele me chupar até eu gozar.

Deitei no meio dos dois e o Luca disse que tinha adorado comer o cu do Rob, mas que ele preferia o meu, porque gostava muito de meter comigo e que tinha muito tesão por mim. Passou um tempo, os dois se lavaram e voltaram para a cama e eu fiquei namorando o Luca, com meu marido deitado ali do lado. O pau dele logo cresceu, eu chupei, ele me chupou e eu fiquei louca de vontade de dar para meu namorado. Mas dessa vez não queria dar para outro na frente do meu marido, então mandei ele ir dormir no quarto de hospedes, porque eu ia dormir com meu namorado na nossa cama de casal. Meu marido se despediu, eu tranquei a porta do quarto para ele não poder entrar e voltei para a cama. Chupei um pouco mais o Luca, abri minhas pernas e ele veio por cima, pincelando a cabeça de leve, esfregando o pau dele na minha buceta sem enfiar. Quando eu não aguentava mais ele meteu gostoso, enquanto me beijava e me acariciava.  Depois de sentir muito o pau dele na minha buceta eu disse: "você quer minha bunda né? Quer comer meu cu gostoso?". Ele disse que sim. Tirou o pau da minha buceta, colocou um travesseiro embaixo de mim.  Coloquei as pernas no ombro dele, ele encostou o pau no meu cu e ficou brincando com a cabecinha. Quando eu estava bem aberta e relaxada ele meteu devagar e gostoso. Senti o pau entrando inteiro no meu cu, e ele me beijou na boca. Comecei a me masturbar enquanto o Luca comia minha bunda, e gozei muito forte e gostoso. E logo em seguida ele veio e encheu meu cu de porra. Dormimos abraçados e relaxados.

De manhã acordamos, tomamos banho e nos vestimos e ai abri a porta do quarto para o Rob também se arrumar.

E assim foi: ordenha da prostata, para o marido dar para o namorado da esposa na frente dela - casal liberal, com a mulher dominadora e o marido submisso em castidade controlada


terça-feira, 6 de junho de 2017

a esposa dominadora e ativa come o marido submisso e passivo - inversão de papéis bem gostosa com o marido em castidade controlada

Eu sou uma mulher naturalmente dominadora e meu marido é um submisso, que gosta de apanhar, de me ver trepando com outros e que deixa eu fazer tudo o que eu quiser com ele. E é assim que eu gosto. Misturo sadomasoquismo, com castidade masculina, com cuckold, com bissexualismo e tudo mais que envolva um casal liberal, de mente aberta e com uma mulher que gosta de todos os tipos de prazer sexual. Meu marido vive em regime de castidade masculina controlada e é submisso e masoquista e eu sádica e dominadora

Contei no ultimo capitulo que fui a uma boate de prostituição e fui puta por um dia. Apesar e meu jeito dominador eu sempre vontade de ser puta. Muitas mulheres tem a fantasia de ser puta e eu realizei a minha, como realizo todas. Chegando em casa eu reassumi meu papel de mulher dominadora. Sou mesmo uma esposa dominadora com o marido submisso. Fiz uma deliciosa sessão de spanking. Chicoteei meu marido até sangrar, deixando ele super marcado, do jeito que eu gosto. E depois terminei com uma sessão de chuva dourada na boca dele, fazendo ele engolir meu xixi.

Acordamos no dia seguinte e quando ele se levantou, preso no cinto de castidade, claro, eu vi a bunda dele toda roxa, com as marcas fortes das chibatadas. Aquilo me excitou demais. Adoro ver um homem marcado depois de uma sessão de spanking. Adoro ver as marcas do chicote na pele do escravo submisso. Ele tomou banho e foi trabalhar.  Mas a imagem da pele dele dilacerada pelo couro da chibata não me saia da cabeça e eu ia ficando cada vez mais excitada. Falei com meu marido pelo WhatsApp e disse que estava louca de tesão e mandei ele ir para o banheiro do escritório e fazer uma foto da bunda dele toda marcada pelo chicote. Ele fez, claro. Quando recebi a foto dele com as marcas roxas do chicote meu tesão aumentou mais ainda. E eu resolvi que ia fazer uma brincadeira gostosa a noite, do jeito que eu gosto. Mandei meu marido chegar do trabalho pontualmente as 19:30.

Quando ele chegou eu já estava pronta. Usava apenas uma bota até acima dos joelhos, de salto bem alto, uma calcinha azul marinho de renda transparente e bem fio dental e uma jaqueta de couro curtinha, sem nada por baixo e aberta. Dei um beijo gostoso no meu marido, abracei ele e disse que eu estava louca de tesão. Tirei a roupa dele, acariciei o saco e apertei pelo cinto de castidade. Peguei sensualmente a chave e disse: "vou te soltar um pouquinho. Vai tomar banho solto. Mas nem pensei em se tocar, nem em se masturbar, você sabe". Sei que tem muitos maridos que se masturbam, recebo sempre mensagens de mulheres casadas dizendo "meu marido se masturba. O que eu devo fazer?". Já escrevi sobre um caminho para isso aqui no blog. O seu marido se masturba, mas o meu marido não se masturba. O meu marido anda na linha e o foco dele é totalmente no meu prazer".

O Rob saiu do banho e eu acariciei a cabeça do pau e depois o saco dele e de surpresa apertei com força o saco, do jeito que eu gosto. Desci até o cu, acariciei a entrada do rabo dele, voltei até a cabeça do pau, que a esta altura já estava explodindo de duro, aproveitando que estava fora do cinto de castidade. Perguntei para meu marido: "você quer gozar, amor?". Ele gemeu e disse: "quero muito!". Dei vários tapas bem fortes na cara dele e disse: "resposta errada! Você sabe que só goza se eu quiser e quando eu quiser. Responde certo agora.". E meu marido submisso e obediente disse: "só se você quiser, amor".  Ai eu gargalhei e disse: "e eu não quero que você goze! Vai lá na cozinha e pega gelo, para amolecermos esse pau". Ele voltou com o gelo num saco plastico, embrulhamos em uma camiseta e fiz o pau amolecer. E ai eu disse: "tem mais uma surpresinha, amor. Estou super excitada e cheia de idéias e vontades para hoje a noite. E, para começar, vamos colocar o cinto de metal, com espinhos torturantes e sonda uretral". Eu sei que esse cinto machuca bastante o pau e a uretra do meu marido, mas eu estava num dia super sádica e dominadora. Queria que ele sofresse, sentisse dor.

Enfiei a sonda na uretra, o que pos si só já é desconfortável e doloroso e ainda por cima o cinto de castidade tem espinhos por dentro, que machucam o pau e a cabeça do pau.

Mandei ele vestir uma calcinha fio dental. Queria ver a bunda do meu marido toda marcada, com ele usando calcinha. E mandei ele ie rebolando para a cozinha para abrir uma champagne para mim.

Logo em seguida tocou o interfone. Era o Luca, meu atual namorado comedor. Eu adoro trepar com o Luca, na frente do meu marido ou não. Meu marido é acostumado a me ver transando com outros homens. Meu marido gosta de me ver transando com outros homens e eu  sou uma esposa que adoro trepar com outros na frente dele. Mandei meu marido ir só de calcinha abrir a porta para meu namorado. Eles se cumprimentaram e logo o Luca me beijou gostoso na boca, acariciando meu corpo, apertando minha bunda. Mandei o Job virar de bunda para o Luca e mostrar as marcas da sessão de spanking da noite anterior. Estou numa fase bem sádica, bem dominadora, adorando fazer meu homen sentir dor e prazer misturados.

Sentei no sofá com o Luca e mandei o Rob sentar no chão. Fiquei namorando no sofá, até que começamos, eu e o Luca, a nos excitar. Mas antes de trepar com o meu namorado na frente do meu marido eu tinha outros planos. Eu ia comer meu marido, com meu pau de silicone, preso no cinto. Eu ia ser a mulher ativa e meu marido o homem passivo. Adoro fazer inversão de papéis. Adoro ser ativa e dominadora, especialmente com meu marido sendo submisso e passivo. Eu queria colocar o Rob de quatro na beira da cama e comer ele com força, olhando para as marcas das chicotadas na bunda dele.

Peguei o maior pau de borracha que tenho. É bem grosso, cabeçudo, comprido. Queria machucar o cu do meu marido. Queria que ele sentisse mais dor ainda. O Luca meu namorado me abraçava e me beijava e depois coloquei meu marido na posição que eu queria. Algemei as mãos dele. Conferi o pau preso no cinto de castidade com espinhos torturantes e sonda uretral, lubrifiquei o cu do meu marido e encostei a cabeça enorme daquele pau de borracha no cu dele. Estava próxima de arrombar o cu do meu marido, numa deliciosa inversão de papéis. Se era para ser ativa, sádica e dominadora, era isso que eu ia fazer bem feito. Então forcei o pau preso no cinto. O cu do meu marido se abriu e ele gemeu. Enfiei a cabeça gigante, de uma vez só. Ele gritou e eu mandei calar a boca e abrir o cu para eu enfiar o pau. E fui metendo. Olhava para a bunda marcada dele, o pau de borracha abrindo o cu. Aquilo me deixava cada vez mais louca. E eu sabia que meu marido não podia ter nada parecido com uma ereção e nem prazer, porque o cinto estava machucando bastante o pau dele. Comi ele com força, meti o pau inteiro, sem dó. O cu dele sangrava e quanto mais ele gritava mais forte eu metia. Tirei o pau e vi o cu dele aberto, vermelho. O cu ele estava arrombado. Enfiei o pau todo, de uma vez. E soquei com toda a força que eu tinha. Fazia os movimentos de quadril como se fosse um homem louco para comer sua fêmea. Meti muito nele. Aproveitei cada momento daquela inversão de papéis.  O Luca meu namorado me acariciava e assistia tudo, de pau duríssimo. Eu estava maluca de tesão. Tirei o pau do cu do Rob, arranquei o cinto que prendia o pau em mim e deitei na cama, agarrando o Luca, louca pelo pau delicioso dele. Eu amo trepar com o Luca. Quem ainda não leu, vale a pena ler os capitulos anteriores aqui do blog. Nem chupei ele nem ele me chupou. Ele veio por cima de mim, como um louco. E eu estava ensopada, aberta, enorme, louca de tesão. Senti aquele pau delicioso entrando em mim, sem camisinha, pele com pele, do jeito que eu gosto. E trepei com vontade. Fiz sexo, sem nenhum amor, mas com muito tesão. Viramos mil vezes de posição, ele me comia forte, ritmado e gostoso. Gozei forte e em seguida o Luca gozou. Me encheu de porra quente, do jeito que eu gosto. Logo que ele tirou o pau de mim e relaxamos um pouquinho eu mandei o Rob deitar e sentei na cara dele, fazendo força com a pélvis, para expelir toda a porra do meu namorado na boca do meu marido. Mandava ele me chupar gostoso. Dizia para ele chupar a buceta da esposa toda cheia de porra de outro homem. E me esfregava na cara e na boca dele, até gozar de novo.

Tomamos um banho os 3 juntos e depois mandei o Job ficar sentado no banco ao lado da cama e fiquei deitada namorando o Luca. Logo nos esquentamos. O pau delicioso do meu namorado começou a crescer na minha mão e eu olhei para meu marido e disse: amor, ele acabou de gozar e me fazer gozar e a gente vai transar gostoso de novo. Olha que sorte a nossa, que podemos gozar gostoso. Já você não pode gozar, porque é assim a nossa vida e é assim que a gente gosta". E em seguida já desci para chupar o saco, a virilha e o cu do meu namorado, para depois me concentrar naquele pau duro, grande grosso e cabeçudo que eu tanto gosto. Mamei muito aquela pica. Chupei gostoso e depois ele veio para me chupar também. lambeu minha buceta, meu grelo, meu cu, enfiando a língua bem lá dentro. Comecei sentando por cima, depois fiquei de quatro e ele me pegou com força, enfiando na minha buceta enquanto metia o polegar no meu cu. Sabia que meu namorado queria comer minha bunda, na frente do meu marido. O Luca adora me pegar por trás. E foi exatamente isso que ele fez. Tirou o pau da minha buceta, encostou no meu cu e forçou. A penetração do Luca no meu cu é sempre dolorosa num primeiro momento, porque ele é grande. Mas ele saber fazer e enfia devagarzinho, até eu me acostumar. E depois ele soca forte, enquanto eu me masturbo. E foi exatamente assim dessa vez. Ele começou a me comer e eu a me masturbar. E quando eu já estava louca de tesão e o meu namorado também eu chamei meu marido para vir me chupar por baixo, vendo o pau penetrando bem de pertinho e sentindo o saco grande e depilado do Luca batendo na cara dele. Morri de tesão sentindo o pau de um no meu cu e a língua do outro no meu grelo e na minha buceta e logo gozei gostoso. Quando gemi gozando o Luca esporrou também, enchendo meu cu de porra. E eu logo sentei na cara do meu marido, mandando ele lamber meu cu, que eu abria para a porra do outro homem escorrer na boca do meu marido.

Foi um tesão. E o Luca disse: "na próxima vez quero comer o cu da esposa e o do marido em seguida, para ver a diferença dos dois". E combinamos que assim seria. A esposa dominadora e ativa come o marido submisso e passivo - inversao de papéis bem gostosa com o marido em castidade controlada

Sou a Paula e você pode falar comigo pelo paulasicam@gmail.com e com o Rob pelo robaleixo@gmail.com

sábado, 3 de junho de 2017

vontade de ser puta

Eu sou uma mulher safada, que gosta de sexo de todas as formas. Adoro tudo que me dê prazer e não tenho nenhum preconceito. Sou uma mulher dominadora, uma esposa dominadora, casada com um marido submisso, um homem que gosta de ser subjugado sexualmente. Na cama quem manda sou eu. Chegamos ás vezes ao sadomasoquismo, ao spanking, a inversão de papéis, com meu marido sendo um homem passivo e eu uma mulher ativa. Fazemos chuva dourada e vários tipos de brincadeiras e torturas, geniais ou não. Mas nosso grande lance é que eu sou uma esposa liberada para transar com outros. Meu marido as vezes assiste e outras não. Já fizemos de tudo, swing, menage, trocas. Meu marido apesar de não ser um homem bissexual transa com outros homens quando eu quero. E ele é acostumado a chupar o pau dos homens que me comem e a me chupar limpando a porra dos outros. E, como vocês leitores já sabem, ele usa um cinto de castidade que o impede de ter ereção e orgasmo. Quando dou um orgasmo para ele normalmente é um orgasmo arruinado, frustrado. Ou um simples provocar e negar, um teaser and denial, ou uma ordenha prostatica. É muito difícil meu marido ter um orgasmo.

Eu sempre tive vontade de ser puta por uma noite. Queria saber como é trepar por dinheiro. Ser escolhida e ter que trepar com qualquer um que pagasse. Normalmente eu sou dominadora, gosto de escolher os caras com quem eu transo. Gosto de ter o poder feminino na cama e fora dela.  Mas resolvi realizar essa fantasia de ser puta. Fui junto com meu marido a uma conhecida boate de prostituição em pinheiros e explicamos ao gerente o que queríamos. Foi bem difícil convence-lo a deixar, mas ele acabou topando.

Resolvemos que iriamos na quinta-feira a noite. Eu me preparei toda. Fiz bronzeamento artificial para deixar minhas marquinhas de biquini bem fortes e lindas. Me depilei todinha, deixando minha xoxota deliciosa e lisinha. E na noite me arrumei bem safada e chamativa. Um shortinho de couro bem curtinho e justo. Botas até a altura das coxas, passando os joelhos. Uma micro calcinha preta, de renda, super fio dental. E uma blusinha de preciso totalmente transparente, preta, com um sutiã de renda por baixo.

E fomos para a boate. Mandei meu marido sentar em uma mesa e ficar la tomando whisky, enquanto assistia eu me prostituindo.  E sai para andar pela casa. Andava de um jeito sensual e provocativo, encarando os homens, me oferecendo. Encostei no balcão e logo chegou em mim um japonês, de terno e gravata. Devia estar na faixa de uns 55 anos, era mais baixo que eu. Totalmente sem graça. Era um cara com quem eu jamais transaria. Conversamos um pouco, provoquei ele bastante e ele me chamou para ir para o quarto. Fechamos um valor e eu fui. Passei pelo meu marido e dei uma piscadinha.

Entramos no quarto e ele começou a me beijar. Um beijo sem graça, molhado, mole. Tirei minha roupa e exibi meu corpo perfeito e bronzeado. Ele tirou a roupa e mostrou um pintinho pequeno, fino, totalmente sem graça. Falei para ele tomar um banho e voltar. Quando voltou me ajoelhei e enfiei aquele pintinho pequeno na minha boca. O cliente gemia e se contorcia todo. Deitamos na cama. Abri bem minhas pernas e me masturbei para ele ver. Me toquei gostoso e ele não resistiu. Achei que ia me chupar, mas ele pegou uma camisinha, colocou no pauzinho dele e veio por cima. Meteu e começou a se mexer. Eu enrosquei as pernas nas costas dele e me esfreguei. Paramos logo depois e fiquei de quatro.  Empinei bem minha bunda, com a minha marca de biquini bem forte. Abri minha bunda e minha buceta e ele meteu na minha buceta de uma vez só. Ficou tentando enfiar um dedo no meu cu e eu olhei para trás e disse: "amor, se você quiser comeu meu cu você pode, mas é mais caro...".  E falei um valor. Ele topou e eu disse: "vem por trás amor, come gostoso meu cu". Mal senti o pauzinho dele entrando, ele deu umas bombadas e gemeu forte, dizendo que estava gozando.

Depois tomei um banho, me vesti e recebi o valor combinado, descendo para a boate já atras de outro cliente. Passei de novo pelo meu marido, pisquei para ele e disse: "um já foi meu amor. Sua esposa acabou de trepar por dinheiro com um japonês horrível e sem graça".

Voltei a circular e logo chegou em mim um outro cliente. Esse estava na faixa dos 35 e era bonitão. Bem vestido, até interessante. Fechamos um valor e fomos para o quarto. Chegamos lá já tirei logo minha roupa e fiquei nuazinha para ele admirar meu corpo gostoso e bronzeado. Ele também tirou a roupa. Tinha um corpo normal, cuidado, mas nada excepcional. Peguei no pau dele, que logo ficou duro na minha mão. Era um pau bem comprido, comprido mesmo. Mas não muito grosso. Na verdade era comprido e fino o pau dele. Mas o que mais chamava atenção é que era totalmente torto para um lado. Fomos para o banho e na saída eu ajoelhei e comecei a mamar o pau dele. Ele queria fazer garganta profunda, queria que eu engolisse o pau dele. Entortei minha cabeça e engoli. Mesmo sendo comprido, eu fiz garganta profunda. Se era isso que ele queria ele ia ter. Se era para eu ser puta, quis logo mostrar que eu sabia o que estava fazendo. Ele quase me sufocou com o pau dele. Engasguei, babei. E senti que isso aumentou o tesão dele.  Fomos para a cama e ele deitou de pernas abertas. Lambi o saco e a virilha dele e vi que ele ficava levantando a bunda. Logo vi que ele queria ser comido também. Logo percebi que ele queria que eu fizesse um fio terra nele, enfiando meus dedos no cu dele. Logo comigo que adoro isso! Desci minha língua para o saco dele, para a virilha e logo em seguida para o cu. Quando dei a primeira lambida ele já se arreganhou todo, abriu o cu na minha língua. Enfiei minha língua no cu do cliente, babei bastante e logo enfiei um dedo interio. Ele gemeu gostoso e começou a rebolar no meu dedo. Vi que ele gostava mesmo da coisa e logo enfiei um segundo dedo e depois um terceiro. Comi ele gostoso, enfiava e tirava meus dedos do rabo dele. Depois achei bem a próstata e acariciei bastante, fiz uma gostosa massagem prostática enquanto mamava aquele bem pau fino, bem comprido e torto.  Parei antes dele gozar. Ele estava louco de tesão, mas antes de meter em mim ele quis me chupar. Abri bem minhas pernas e mostrei minha buceta totalmente depilada, aberta, grande e molhada. Ele me chupou, enfiou a língua, achou meu grelo, quase me fez gozar. E depois deitou, vestiu a camisinha e eu encaixei minha xoxota no pau dele e engoli tudo, vindo por cima. Rebolei bastante, me esfreguei do jeito que eu mais gosto e senti meu gozo vindo. Eu ia gozar com aquele cara que estava pagando para me comer, que eu tinha acabado de conhecer e estava dando em troca de dinheiro. Olhei pra ele e disse: "vamos gozar" e gozei bem gostoso naquela fantasia de ser puta por uma noite. E ele gozou em seguida.

Tomamos outro banho rapido, nos vestimos. Ele me pagou, deu uma caixinha generosa e pediu meu telefone, dizendo que queria sair outras vezes com ele. Eu ri e disse: "só saio aqui". E descemos. Passei perto do meu marido mais uma vez e disse: "esse me fez gozar, amor". E logo fui atrás do meu terceiro cliente da noite.

Demorei mais para conseguir o terceiro cliente. Chegaram vários em mim, mas queriam ficam negociando o preço da trepada e só me enchendo o saco. Um tempo depois chegou um cara bem gordo e já um pouco mais velho, be, grisalho. Me deu nojo só de pensar em eventualmente ter que trepar com ele, então quando ele perguntou o valor eu joguei um valor bem mais alto, o triplo do que eu tinha cobrado. E ele topou. Eu gelei na hora. Me arrependi da minha fantasia de seu puta por um dia. Mas como eu estava nesse jogo eu tinha que ir. Subimos para o quarto. Resolvi que ia fazer ele gozar rápido e ir embora com meu marido. Comecei tirando minha roupa sensualmente. Quando estava só de calcinha, ele me pediu para eu me exibir de calcinha.  Rebolei, me virei, me mostrei toda. Ele passou a mão na minha buceta por cima da calcinha e apertou ela, com uma mão gorda e mole. E disse que queria comprar minha calcinha usada. Chutei um valor e ele topou. Tirei a calcinha, dei para ele, ele chegou e enfiou na boca quase.  Falei para ele tirar a roupa. Quando ele ficou nu eu mal via o pau dele. A barriga quase encobria o pau dele. Ele tinha pelos já meio grisalhos e estava todo suado nas dobras de sua gordura. Falei para irmos para o banho. Saimos, ele deitou na cama, eu chupei aquele pau no meio de tanta banha. Depois ele quis me chupar. A boca dele era mole, ele não achava os lugares sensíveis, lambia sem graça e ainda por cima babava muito. Fui por cima dele, roçando meu corpo gostoso e durinho naquele corpo mole e gordo. Vesti a camisinha no pau dele e sentei. Não conseguia nem me encaixar nele, de tão gordo que era. Rebolei o que pude. O cliente gemia e suava embaixo de mim. Fiquei de quatro e ele veio me fudendo. Sentia aquela pança gorda batendo em mim, até que ele gozou. Tomamos banho, ele me pagou o valor do programa e da calcinha. Vesti meu shortinho sem nada por baixo e descemos.

Sentei na mesa do meu marido e disse: "amor, o gordo comprou minha calcinha. Estou sem nada por baixo. Vamos para nossa casa". E fomos embora. No carro, contei todas as trepadas em detalhes para meu marido, preso no cinto de castidade dele. Contei do japonês de pau mínimo, que comeu meu cu. Contei do gostoso que foi ativo e passivo comigo e que me fez gozar com aquele pau fino, comprido e super torto. E contei do gordo nojento que comprou minha calcinha para se masturbar com ela.

Chegando em cada eu precisava reassumir minha posição de poder feminino, de mulher dominadora. Mandei meu marido tirar a roupa, peguei ele pelos cabelos, dei uns bons tapas na cara dele e disse: "desce e me chupa gostoso. Me faz gozar na sua boca. Minha buceta não está com gosto de pau e nem tem porra para você limpar. Dessa vez você vai sentir o gosto da borracha das camisinhas dos caras que pagaram para me comer". Meu marido começou a me chupar. Eu depois me virei e sentei na cara dele, sufocando ele de propósito. Um pouco antes de eu gozar eu parei e me segurei. Peguei minha algema, prendi meu marido. Abri o armário e peguei meus chicotes e disse: "amor, preciso relaxar e você sabe que te espancar me faz bem". E comecei uma forte sessão de spanking no meu marido. As marcas do chicotes apareciam cada vez mais fortes na bunda e na coxa dele. Eu adoro espancar sexualmente um homem, dentro de um sadomasoquismo SSC, em uma relação consentida, segura e reciproca. Quanto mais eu batia mais excitada eu ficava. Meu marido gritava e chorava de dor e eu batia cada vez com mais força.  Eu estava louca de tesão e gritei para meu marido: "agradeça por ter a melhor mulher do mundo, amor. Agradeça pelo nosso casamento perfeito". E meu marido, obediente, agradeceu. E eu mandei ele falar mais alto que me amava e que eu era a mulher perfeita. E ele fez. Ai mandei ele contar as ultimas 20 chicotadas, agradecendo cada uma. Quando terminamos eu estava ensopada, muito excitada. Sentei na cara do meu marido que me chupou até eu gozar. Quando eu acabei e gozar ele estava todo ferido, machucado, marcado das chicotadas que dei nele. Mandei ele ir pro banheiro, deitar no chão e abrir a boca bem aberta, para eu fazer xixi na boca dele. E mandei ele engolir tudo. Adoro chuva dourada desse jeito. Depois ele tomou banho. Desinfetei os ferimentos, passei hirudoid e dormimos.

E essa foi minha vontade de ser puta. Ser puta por um dia

Quer saber mais de mim e do meu casamento? Me escreva: paulasicam@gmail.com . Mas seja inteligente!


terça-feira, 30 de maio de 2017

a vida de um marido que vive em castidade e vê a esposa transando com outros homens

Oi pessoal, hoje quem escreve aqui é o Rob. Muita gente me manda emails perguntando como é minha vida, como é ser corno manso, como é ver minha esposa transando com outro, como é ser um homem submisso casado com uma mulher dominadora, como é viver em castidade, sem ter orgasmos e muitas outras coisas. Vou tentar contar um pouco aqui.

Meu casamento com a Paula começou "normal", "baunilha". Ela sempre foi mais dominadora em casa e eu mais submisso e obediente.  A gente começou a falar sobre fantasias na cama, a brincar que outra pessoa estava com a gente. E nossas primeiras experiências foram menages femininos, com minha esposa e outra mulher. Foi gostoso na época, mas não era aquilo que nos empolgava. Ai eu comecei a falar sobre ver ela transando com outro homem. Dizia que eu queria muito assistir ela trepando com outro homem, dando prazer para outro homem e tendo prazer com outro homem. E ai ela começou a me dominar mais forte e disse que só ia dar para outro quando eu estivesse acostumado a chupar a buceta dela cheia da minha própria porra. Então todas as vezes que transávamos ela me mandada descer e lamber a buceta dela com meu próprio gozo. É difícil porque ja tinha passado aquela onda de prazer, mas ela me obrigava a fazer. Depois ela começou a me dedar e a enfiar mais dedos e consolos no meu cu. Eu nunca gostei de ser passivo e inversão de papéis na cama não era uma coisa que a gente praticasse. Mas também me acostumei a dar o cu para minha esposa.

Ai ela me disse que eu estava pronto para ver ela transando com outro. E completou dizendo que já sabia quem seria. E ai me revelou que ela queria voltar a transar com um antigo amigo dela, que comia muito ela na época de faculdade. E fez questão de me dizer que era o cara que ela mais sentia tesão em toda a vida e que ela adorava trepar com ele.

E ai um dia ela chamou ele pra ir para nossa casa. E eles não me deixaram ver a primeira. Me trancaram pra fora do quarto e eu só ouvia os gemidos e barulhos deles transando.

A cabeça da gente pira nessa hora. É uma mistura de sentimentos muito fortes. Um ciúme enorme de saber que tem outro cara no quarto comendo a minha esposa, misturado com o desespero de eu ter permitido incentivado que aquilo acontecesse, com um tesão muito forte. Dói, dói muito. Eu me desesperei e tive muitas sensações ruins. Mas junto vem a loucura do tesão.

E quando eles acabaram de gozar a Paula fez o teste final sobre minha aceitação. Pediu para o Rafa, que tinha acabado de comer ela, abrir a porta e me mandou entrar. Os dois estavam nus. Ela deitada na nossa cama, de pernas abertas. Olhou para mim e disse: "amor, eu já fiz. Você já é corno. Agora vem mostrar que você está feliz, vem me limpar todinha com sua língua, vem chupar minha buceta cheia de porra quente de outro homem".  E eu fui... chupei a buceta da minha esposa logo depois que outro tinha gozado nela. Ai já era. Naquele momento se concretizou que eu seria corno para sempre.

Ai passado algum tempo minha esposa manda eu sentar num cantinho e começa a se pegar com o namorado dela. Ver a mulher que a gente ama nua na cama com outro homem não é nada fácil. Ver as bocas deles se encostando num beijo quente e as mãos passeando pelos corpos, não é nada fácil. Ver o pau do cara crescendo na mão da nossa esposa não é nada fácil. Ver ela descendo e lambendo a cabeça do pau dele, para depois chupar ele não é nada fácil. Ver um pau enorme, duro, dentro da boca da nossa esposa não é nada fácil. E depois ver nossa esposa abrindo as pernas e recebendo um pau duro, sem camisinha, dentro da buceta, não é nada fácil. E ver a nossa esposa transando gostoso com outro, até os dois gozarem, não é nada fácil. E descer para lamber a porra de outro homem na buceta da nossa esposa não é nada fácil.

Eu disse várias vezes que não é nada fácil. E não é mesmo. Vocês que fantasiam isso tenham muita certeza do que querem e de que vocês vão aguentar. Não é nada fácil. Mas é muito, muito, muito bom. E muito, muito, muito excitante.

Muita gente me escreve perguntando como fazer para a mulher transar com outros homens. Outros me perguntam como fazer para a esposa dominar eles. O que tenho para dizer é que tem mulheres que nasceram para isso e outras não. Comecem fantasiando na cama, depois falem a sério fora da cama, vão dando dicas de que gostariam. Mas se ela não quiser, não adianta forçar. Tem que ser uma coisa dos dois lados e não apenas uma fantasia sua. E saiba que tem mulheres que não nasceram para dominar e nem para fazer maridos cornos.

Voltando a minha vida. Depois que ela transou a primeira vez com outro na minha frente a porteira se abriu, claro. Ela pegou gosto pela coisa e eu fui cada vez mais curtindo essa dualidade de ter tesão e ciúmes juntos. De ser dominado e maltratado pela esposa, mas de ter prazer com isso. E naturalmente ela começou a querer transar menos comigo. Mas ao mesmo tempo, criando uma ligação muito mais forte e intensa comigo, uma ligação muito mais profunda. Nossa relação foi começando a transcender a outras formas.

E ai ela começou com jogos psicológicos, me deixando sem gozar, começando a me dominar nesse sentido também. E cada vez mais estabelecendo uma relação de tensão entre nós, no sentido de nos mantermos ligados e unidos, e de tesão em sentidos diferentes. E eu comecei a me deixar ser subjugado. Ela não me permitia mais penetra-la. Ela me obrigava a dar prazer a ela, sem ter o meu. E com isso meu prazer foi ficando diferente e nosso casamento muito mais quente, com um muito ligado ao outro. Sei que é louco, mas é assim que acontece.

E foi ai que ela veio com o cinto. Confesso que num primeiro momento me assustei e me preocupei. Mas ai em seguida também achei que seria algo passageiro, que logo acabaria. É muito dificil deixar nossa esposa trancar nosso pau em uma gaiola. Psicologicamente nossa masculinidade fica abalada. Não podemos mais ter ereção e nem orgasmo. E fisicamente é bastante estranho também. Temos que fazer xixi sentados. A argola incomoda. O pau demora a se acostumar. O peso ao redor do saco muda. É bastante dificil a adaptação psicológica e física também. Nos primeiros dias a empolgaçao supera, mas logo em seguida entramos em uma fase bastante complicada e a cabeça começa a ir longe, a "pirar"mesmo. E ai que entra o papel da keyheld, dominadora, da esposa dona das chaves do cinto de castidade. É nesse momento que ela precisa demonstrar o poder dela sobre você. É nesse momento que a relação precisa estar sólida e temos que ter certeza de que entregamos o prazer de nossas esposas a outros homens e o nosso prazer à vontade dela e, principalmente, a outras formas de prazer.

Eu passei momentos bem complicados, de desespero mesmo. Mas ela sempre soube conduzir e deixar claro que nossa relação foi feita para ser assim.

Somos felizes, nos amamos. E nossa relação é baseada em cumplicidade. Nenhum dos dois está nela por obrigação mas sim porque queremos.

E assim é a vida de um marido que vive em castidade e vê a esposa transando com outros homens

Quem quiser falar comigo: robaleixo@gmail.com


terça-feira, 9 de maio de 2017

ordenha prostatica

Como vocês já sabem, o meu marido vive em castidade, sem gozar quase nunca. Ele é corno manso  . É um marido que gosta de ver a esposa transando com outros homens, coisa que eu adoro fazer e me dá muito prazer.  É um homem submisso, que gosta de ser dominado por uma mulher dominadora. No meu caso, um marido submisso para uma esposa dominadora. 

Nós praticamos todos os jogos sexuais de um casamento liberal e com boas pitadas de sadomasoquismo, inversão de papéis, spanking, chuva dourada e várias outras coisas da dominação feminina sobre o homem. E claro que eu sou uma esposa que tansa muito com outros homens com meu marido assistindo.

Vamos falar hoje sobre a ordenha da próstata, uma coisa que faço com meu marido, que é impedido de gozar, porque sua cinto de castidade.

A prostata pode ser acessada através do reto. A melhor forma de sentir-la é enfiando o dedo médio no cu do seu parceiro e desliza-lo até sentir uma protuberância. Durante a ereção os fluidos jaculatórios são acumulados por ali. Quando se chega no limite de acumulo algumas válvulas ali se abrem e acontece a ejaculaçao, com o orgasmo.

Mas a prostata também pode ser esvaziada através de massagem prostática diretamente nela mesmo. Uma forma simples e segura de esvaziarmos a próstata de um homem em castidade e impedido de ter orgasmo é a introdução de dois dedos bem lubrificados no cu dele, com uma massagem ritmada e firme na área rugosa e nodular das glândulas.  Essa massagem irá forçar a passagem do esperma pelas glândulas  nos dutos ejaculatorios, esvaziando a próstata. Se o homem não estiver com ereção, de pau duro, (como o caso de quem usa o cinto), e sem estimulação peniana, esse esvaziamento acontecerá sem sensações de orgasmo prazeroso.  Logo que a ejaculação aparecer na cabeça do pau faça uma compressão firme com o dedo desde a base do penis até a cabeça.Esprema o pau dele.

Uma alternativa a essa técnica de ordenha prostática sem dar orgasmo ao homem é utilizar gelo. Uns 15 minutos antes da ordenha prostática coloque bolsas de gelo ao redor do pau do homem e no saco dele. Envolva as bolsas num algodão fino para que o frio não queime ele. Faça o processo da ordenha como eu ensinei acima, mas mantendo o gelo até a ejaculaçao. 

Eu recomendo sempre, para qualquer ordenha que o homem submisso esteja amarrado ou algemado, para que não possa de forma alguma se tocar. 

Outra atitude que nós mulheres dominadoras devemos adotar com nossos homens submissos, nessa relação de supremacia feminina, Femdom, é a da masturbaçao interrompida, com orgasmo negado ou orgasmo frustrado.

São duas formas, basicamente. A primeira é soltar ele do cinto de castidade e provocar bastante seu homem, deixa-lo louco, muito excitado. E ai masturbar ele até ele quase gozar e ai parar tudo, deixar amolecer e recolocar o cinto. Isso é muito bom para manter seu homem sempre ligado a você, alerta, focado no prazer da mulher. É sempre bom negar o orgasmo para o homem.

E a outra forma é fazer a mesma coisa, masturbar ele, bater uma gostosa punheta e bem na hora da ejaculaçao, tirar a mão, parando os movimentos, deixando vir a ejaculaçao, na forma de orgasmo frustrado.


A inversão de papéis é muito boa também. Faça seu homem passivo e seja você uma mulher ativa e dominadora. Ele vira sua fêmea e você o macho dele.

Enfim, hoje dei algumas dicas que minhas leitoras mulheres sempre pedem.

Eu sou radicalmente contra a masturbaçao masculina. Os maridos não podem se masturbar escondidos das esposas. Isso tira o foco, desvia a atenção e o interesse. Não é bom para o casamento.  Já escrevi algumas vezes sobre isso aqui. 

Meu marido se masturba é uma pergunta que várias mulheres acabam se fazendo. E a resposta triste é que sim, seu marido se masturba. Mas o meu marido não se masturba, porque eu o dominei, mostrei para ele a melhor forma do casamento, e ele hoje vive em castidade, sem ter orgasmos, mas muito focado no meu prazer e na manutenção ideal do nosso casamento.

Se você leitora já se pegou perguntando meu marido se masturba, ou meu namorado se masturba, e pensando nas consequencias disso, leia hei texto sobre a masturbaçao masculina e como evitar que nossos maridos e namorados se masturbem pensando em outras, porque podem ter certeza que quando eles batem punheta eles pensam em outras mulheres e não em nós esposas ou namoradas.

Já escrevi algumas vezes sobre a indesejável masturbaçao masculina. Meu marido se masturba, ou meu namorado se masturba é um drama que aflige muitas mulheres, mas não a mim. 

Meu marido se masturba: 

Domine seu marido e seja feliz: 

Eu acredito muito nessa frase: "domine seu marido e seja feliz". Use o poder da sua buceta, use o poder do sexo.

Espero ter ajudado. Quem quiser me escrever pode me contatar no paulasicam@gmail.com 
Ah, e lembrem-se que vou me encontrar com um leitor e uma leitora do blog, separados. Se você estiver interessado ou interessada, me escreva e me diga porque eu devo escolher você.  Chame minha atenção de alguma forma e lembre-se de me dizer do que você gosta e quais seus limites


Hoje falamos de ordenha prostatica, massagem na próstata, e orgasmos arruinados, orgasmo frustrado.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

a esposa transa com um antigo namorado com o marido corno cuckold assistindo

Como eu contei no ultimo post, eu dei um orgasmo para meu marido, que vive em castidade controlada. É muito raro eu deixar meu marido gozar e, na maioria das vezes, eu dou só um orgasmo frustrado, um gozo arruinado. Mas desta vez eu deixei meu marido me penetrar, sentir a buceta da esposa dele que tantos homens comem e ele não pode comer.

E agora vou deixar ele preso no cinto de castidade e sem poder gozar por 8 meses. Se ele se comportar bem e merecer vou dar um orgasmo de presente de natal para ele.

Mas eu ter transado com meu marido me deu vontade de sentir um outro pau antigo meu, do cara que me deu mais tesão na vida, a melhor trepada que eu já tive. O Rafa é um namorado meu do tempo de solteira e quando resolvemos abrir nosso casamento, para eu transar com outros, foi ele o primeiro cara que escolhi. Foi ele o primeiro homem que transei com meu marido olhando e foi ele também o primeiro que transei sem meu marido olhar. E eu fiquei bastante tempo namorando o Rafa, depois de casada. Foi com ele que viajei para a Europa e aprontei muito. Mas faz alguns meses que não transo com ele. Fiquei com vontade!!

Quem quiser ler um pouco sobre minha viagem para a Europa com meu namorado, enquanto meu marido ficou no Brasil, basta ler os capítulos anteriores, como este por exemplo: http://submissocornoecontrolado.blogspot.com.br/2016/05/

E quem quiser saber como comecei a trepar com outros homens depois de casada, com meu marido corno, cuckold, sabendo e aprovando: http://submissocornoecontrolado.blogspot.com.br/2016/04/a-historia-de-rob-capitulo-2.html

E por aqui também: http://submissocornoecontrolado.blogspot.com.br/2016/04/a-historia-de-rob-capitulo-3.html

Eu sempre morri de tesão pelo Rafa e ele por mim. E fiquei com vontade de trepar de novo com ele, mesmo estando namorando o Luca atualmente. E sempre casada com o Rob.

Mandei um whats para o Rafa, provocando ele, junto com uma foto minha nua, de pernas bem abertas. Ele ja se empolgou todo e marcamos dele vir para casa a noite. Avisei meu marido que ele ia me ver trepando com outro a noite. E disse que esse outro seria o Rafa, que ele conhecia tão bem.

Me produzi toda linda, gata e gostosa, com uma roupa provocante e uma calcinha bem de putinha. O Rafa chegou já me agarrando e beijando na boca, sem a menor vergonha ou timidez por meu marido estar na sala. Aquilo já me excitou e já fiquei toda molhada. E o Rafa já se aproveitou e já foi me levando para o quarto, que ele conhecia tão bem. Já dei muitas vezes para ele na nossa cama de casal.

Olhei para o Rafa e perguntei: "você quer que o Job espere aqui fora ou assista a gente trepando?". E ele me disse que pro ele tanto fazia, que ele sabia que o meu marido era corno manso e super obediente. Então eu falei para o Rob ir, assistir e ajudar na penetração.

No quarto logo ficamos os 3 nus. Eu e o Rafa, meu antigo namorado, se pegando e o Rob, meu marido, assistindo, com o pau preso no cinto de castidade.

O Rafa se deitou com de costas, com as pernas abertas e aquele pau delicioso ja bem duro. Eu fui subindo e lambendo as pernas dele, cheguei no saco. Lambi todo o saco, desci pela virilha até o cu. Enfiei bem minha língua no cu dele, enquanto punhetava o pau. Subi, lambi e cabecinha de leve e depois engoli aquele pauzão delicioso que tanto prazer já me deu na vida. Chamei o meu marido mandei ele chupar minha buceta, enquanto eu chupava o pau daquele outro homem, que ia me comer na frente do meu marido.  Quando eu ja estava quase gozando, mandei meu marido parar e sentei no pau do Rafa. Senti aquele pau enorme me preenchendo. E nós dois começamos a trepar enlouquecidamente, com todo o tesão que sempre tivemos um pelo outro. Nosso encaixe é perfeito e o Rafa sabe usar aquele pau, sabe me pegar de jeito, sabe me comer gostoso.

Nos viramos em mil posições e o Rafa me comia deliciosamente, com força, com ritmo. Eu gozava mil vezes sendo fodida por ele. Ai ele me pos de quatro, e começou a estocar fortemente, me puxando pelos cabelos, me dando tapas na bunda, me deixando cada vez mais louca e excitada. Mandei meu marido deitar por baixo, para ver bem de pertinho o pau do Rafa entrando na minha buceta. É a coisa mais linda e mais forte, enciumante e excitante, para um marido ver o pau de outro homem entrando na buceta da esposa. Mandei o Rob ir lambendo minha buceta e um pouco do pau e do saco do Rafa. E o Rafa me podia gostoso, até que ele esporrou. Encheu minha buceta de porra, porque nunca usamos camisinha e um pouco já escorreu no rosto e na boca do meu marido. Quando o Rafa terminou de gozar e saiu de mim, eu sentei na boca do meu marido, deixando a porra do outro homem escorrer an boca dele. E mandei meu marido chupar minha buceta toda esporrada, toda cheia de gozo de outro. E meu marido me limpou todinha.

Fiquei abraçada no Rafa aproveitando e um tempo depois o clima esquentou novamente. O pau do Rafa ficou duro de novo e eu mandei meu marido chupar. Adoro ver meu marido chupando um pau, sendo passivo, transando de formas diferentes. Mas hoje ia deixar ele só chupar. Depois que meu marido chupou bastante o pau do meu namorado, eu transei de novo com o Rafa até gozarmos gostoso de novo.

Adorei matar a saudade do Rafa e ja estou pensando em transar com ele e o Luca juntos. Vocês sabem que sou a esposa transa com um antigo namorado com o marido corno cuckold assistindo

Ah e se você leitor e leitora do blog quiserem podem tentar a sorte comigo. Vou ficar com um leitor e uma leitora do blog. Mas tem que ser alguém que me excite, que me deixe com vontade, que me provoque. Se você quiser me escreva no paulasicam@gmail.com contando para mim porque você deve ser o escolhido para ficar comigo. E me diga quais suas preferencias e limites, porque lembre-se que quem resolve sou eu e quem manda sou eu. Vou escolher uma leitora e um leitor para, separados, ficarem comigo. Aguardo as mensagens no paulasicam@gmail.com